sexta-feira, março 20, 2015

Haikai de Outono

Klimt, a Árvore da Vida

Pôr-do-sol de outono
pássaros pousam nos galhos
pausa para o canto

Solange Firmino

sexta-feira, março 13, 2015

A relativa eternidade

(Postagem em homenagem ao cantor e compositor Leoni)

Eu e o poeta Ferreira Gullar em cerimônia na ABL

Cruzo a rua e vejo
sobre a montanha
que se ergue no horizonte
para além da Lagoa
nuvens matinais
iluminadas
contra um céu muito azul

como na primeira manhã do mundo 

(ainda que
em todos os dias do ano
quando faz sol
essa festa matinal se tenha repetido
por séculos)

mas pouco importa:
é hoje manhã pela primeira vez

ainda que
antes de terem aqui chegado os portugueses
já ali estivessem a montanha
o céu azul
e as nuvens a se esgarçarem

quer houvesse
ou não
(como agora)
alguém para vê-los

e então me digo:
se o mundo dura tanto
e eu tão pouco
importa pouco
se ele não for eterno

Ferreira Gullar


* Mais sobre a foto, aqui.

Estátua de mineiro no Rio

Homenagem ao poeta Carlos Drummond de Andrade. O poema ganhou o 2° lugar no 15° Concurso Literário do Servidor Público do Rio de Janeiro 2014. A cerimônia de entrega será este mês na sede da Fiesp.


Estátua fria e taciturna
suporta calada e tímida,
no pedregoso calçadão,
a vida que persiste ao redor.

Não profere palavras melodiosas no chão varrido
onde pousa sua sombra;
não sabe se é noite, mar ou distância,
na espantosa solidão do Rio,
onde voz e buzina se confundem.
Mas está cercada de mãos, afetos, procuras.
Sem pensamento de infância ou saudade,
somente a contemplação muda
dos ritmos que passam, curiosos ou indiferentes.
Param, fotografam, agridem.

É uma nova categoria de eterno,
estar ali sem estar.
Legado de bronze no meio do caminho,
no grande mundo que está crescendo todos os dias.
Eterníssimo.

Solange Firmino

domingo, março 01, 2015

Ilha de Paquetá

Rio de Janeiro - 450 anos!
Fui comemorar num dos lugares de que mais gosto, a Ilha de Paquetá.











Na aridez do deserto
a vida percorre caminhos
de clorofila e silêncio

                                                                      Solange Firmino


domingo, fevereiro 22, 2015

IV Prêmio Literário Cidade Poesia

Resultado final do IV Prêmio Literário Cidade Poesia: 
. Total de inscrições válidas – 367
. Data prevista para a solenidade de entrega de prêmios e lançamento da antologia, maio de 2015
. Os autores classificados serão comunicados por e-mail com a devida antecedência sobre data, horário e local da premiação.
. Outras informações através do e-mail: asesbp@gmail.com

Classificados para a Antologia nesse link.

domingo, fevereiro 01, 2015

Verãozão

Foto tirada por mim na Praça Paris - RJ
“Não reclame do calor, plante uma flor
Quem planta árvore, colhe sombra”

Foto tirada por mim na Praça Paris - RJ, única sobrevivente no jardim daquele dia.

domingo, dezembro 28, 2014

26/12/2014 Urca


Não basta sentir a chegada dos dias lindos. É necessário proclamar: "Os dias ficaram lindos".
[Carlos Drummond de Andrade]

quinta-feira, novembro 20, 2014

2º lugar no 15º Concurso Literário do Servidor do Rio de Janeiro

Saiu a lista dos vencedores do 15º Concurso Literário do Servidor do Estado do Rio de Janeiro no gênero poesia após avaliação da comissão julgadora para a categoria, realizada dia 12 de novembro, na sede da Fundação Ceperj.
O primeiro colocado é morador da capital fluminense. E a segunda colocada sou eu! Durante o processo, dez menções honrosas foram escolhidas por tema literário. Na última edição do concurso eu ganhei menção honrosa...

Leia a notícia aqui.

terça-feira, novembro 18, 2014

I Concurso Internacional de Poesia Casa de Espanha



O I Concurso Internacional de Poesia Casa de Espanha divulgou ontem a lista dos finalistas. A final será dia 14/12/2014 às 18h30 no auditório da Casa de Espanha. Na categoria RJ, meu poema entre os 16 finalistas. Após a cerimônia em 14/12, fiquei em terceiro lugar.


Odisseia

Vivo em circunviagem.
Qual Ulisses sem Ítaca, tenho saudade
de quem me espera.
Enquanto Penélope tece,
faço meu caminho em mares profundos.
Um porto de vez em quando me faz companhia.
A cada gesto de partida,
mais perto fico da chegada.
Nas tormentas, procuro o desconhecido
no espaço cíclico.
Viajo sem regresso previsto.
Peregrino sem âncora ou bússola.

Nas travessias cruéis, entre Cila e Caribde,
enfrento naufrágios, armadilhas e expectativas.
Encantam-me Circes, olhares e palavras.

Retorno pela memória.
Navego pelo visto, ouvido e amado.
Só assim me livro do exílio.
Encontro-me esperando por mim
no meio de tantos sonhos tecidos
enquanto eu crescia.

Solange Firmino

terça-feira, novembro 11, 2014

Pão e Poesia seleciona 30 trabalhos


Poemas com cheiro de pão serão distribuídos em pacotes para os catarinenses.
Veja aqui a listagem com os poetas selecionados. Três poemas meus estarão nas embalagens:


Esfinge
Decifra meu enigma
e toda a essência
por trás do verso.

Segue pela trilha do poema
e revela a metáfora escondida.
Repousa sem tédio
no meu ritmo.

Descobre o segredo que habita
onde me esquivo,
onde a pergunta é só disfarce,
reverso.
Se me escondo,
é para devorar melhor.



Geometria de Ícaro

O céu côncavo
abarca o voo.

O sol oblíquo
derrete a cera
e o sonho.

O mar convexo
recebe a queda.



Mapa-múndi

Mapa mudo.
Mundo de fronteiras cravadas
no caminho inatingível do outro.

Arquipélago de seres
em legendas coloridas.
População em excesso.

Meu céu não tem
traçado geográfico,
meridiano ou hemisfério.
É abismo sem escala prevista em régua.

O mundo,
fora do ombro de Atlas,
é uma invenção cartográfica.

Solange Firmino